quarta-feira, 29 de maio de 2013

Testemunhas de nada.
 A moça foi devolver um produto trocado, sem querer, em uma loja.
Na calçada, um homem pobre comia pasteis da feira em potes de plástico.
Seu cachorro Negão, um mestiço de labrador, olhava atento para seu dono.
 O homem oferece metade do pastel ao Negão, que recusa para que seu dono coma mais.
A moça, tomada de compaixão por aquele homem que cheirava alcool, e sentia frio, senta-se ao lado dele para prosear. Abre sua bolsinha e pega todo dinheiro que possui, e entrega àquele que é seu igual seu irmão. O homem diz: -Senhora, é para eu comprar ração para o Negão? Prometo que não vou beber com esse dinheiro. Quem é a moça para julgar um homem maltratado pelos caminhos?
 -Se for para beber, senhor, beba e mate seu frio.
Senhoras, Testemunhas de Jeová, passam por eles sem tomar conhecimento, com suas bíblias guardadas debaixo de seus braços.

Um comentário:

Patrícia Fagundes disse...

Querida, eu me vi numa das minhas aulas do meu curso de Serviço Social ao ler este post.
Sempre dizemos que o álcool muitas vezes é o que essa pessoa tem para se apegar. É o que ela pode ter para suportar o frio e essa vida medíocre e vazia que leva. Essa sua consideração (ops, da moça)quando diz que ele pode usar o dinheiro para beber se precisar, é altamente racional considerando a situação em que este homem se encontra.
Outra perspectiva a se admirar, é a do homem que imediatamente disse: "pra comprar ração pro cachorro". Que alma maravilhosa ele tem...